21 de mar de 2012

Diabo

Relinchando
Postou-se a minha face
Como trave
Um gigantesco desafiante
Numa noite sem estrelas

Bufando,
Fitou meu peito nu
Descoberto pulsando
Sobre postos
A relinchar
Esperando que eu pisque

- Incansável!
                     Eu diria
- Imbatível!
                     Eles disseram
Era horrível!
                     Concordamos

Enquanto eu aguardava
Matutando
Mortais passos
Em direção ao próprio diabo
Fitava-me

Diabo, pobre diabo
Mal sabe o fim deste romance
Inaudível e ilegível
Desafinando
A biografia da gente

Os tremores a nossa porta
Os gritos a janela
As lágrimas escorrendo
Por todos de nossos corações
Diabo!

E sobre os ombros
Dos homens
E de nossos cardeais
Desferimos,
Pequenos golpes terminantes

E rezamos
Esperamos
Sonhamos
Que o Diabo da gente
Desista de nossos olhos cansados

Por Vitor C. Ramos

* Se copiar, favor divulgar a autoria. Obrigado ! *

0 comentários:

Postar um comentário