5 de mai de 2016

Eterno Vendaval

Faço do meu beijo
Alegoria...

Em tuas nuances, vivo perdido
Não sei se lhe beijo
Ou lhe deixo acalmar.
É sempre um mar a desvendar...

É feito um vendaval!
Arrasta, derruba e leva embora.
E depois é calmaria
Aquele olhar sereno
Que pode durar a eternidade afora

Eu amaria a eternidade!

Me perderia em seu respirar profundo
Sentindo seu peito esvaziar
E se encher novamente, pronto pra amar
Num silêncio que acolhe a alma.

Meu corpo estremece em sua falta
Esfria em saudade
Aquece em lembranças

Havendo um mar para atravessar
A distancia
Derivando em nossas lembranças
O cheiro em minhas roupas
E a memória do seu olhar.

Por Vitor C. Ramos

* Se copiar, favor divulgar a autoria. Obrigado! *

0 comentários:

Postar um comentário