29 de jan de 2012

Sereia

Azul
Corre o azul do céu
Ao mar
Ah! zul!
O mar
A cor de seu olhar

Ah! mar
Quando se molhou
Devagar
Afogou o âmago
Nosso
Todo no mar
Quanta ternura

Ah! morremos
De dor sofremos
Quando se esconde o Sol
Entre prédios a nos cercar
A sereia vai pro mar
- E você onde vai?
- Já vou!
- Pra onde?

- Ao mar!

Por Vitor C Ramos

* Se copiar, favor divulgar a autoria. Obrigado ! *
Leia tudo >>

Bunda

Bunda
O prazer de olhar a tua
A nossa
A tortura
Senta-te a bunda nua
Imaginadamente desnuda
Semi-tocada
A corja
Alcateia inteira
Pequenos malfeitores
A espreita da tua
Perseguida... não!
Bunda!

Bela bunda!
Hummm, bunda!

Por Vitor C. Ramos

* Se copiar, favor divulgar a autoria. Obrigado ! *
Leia tudo >>

O rio

Sobe sobe
Azul, marrom franzido
Subia, o rio subia
E vem, adentro
Sobe correndo
Todo lamacento
O rio em que mora
Vive morto
Meu parente
Que aparentemente
Se misturou a corrente
Subiu pelas paredes
Derrubou a mureta
E subiu ao contrário
Escada abaixo
Quer dizer, acima?
Rio, que corro e rio, ó rio
Correu pela sala
Pela cozinha
Pelo quarto, e saiu
Saltando pela varanda
Até parar na barranca
Encontrara sua própria anca
A esnobe e bela volta que faz
Para voltar
Atrás
E cair no mar

Por Vitor C. Ramos

* Se copiar, favor divulgar a autoria. Obrigado ! *
Leia tudo >>

26 de jan de 2012

Chacina

Os poucos segundos que passaram
Matam-me com mão cheia
Em minha goela me apertam as paredes
Entre plexos ornados a dor
Acompanhada de lágrimas a trovejar
Caí por sobre ancas de um mal lavado
Mal tratado, de coração traído
Pelos próprios olhos
Sobre a carniça

Pelo chão
Vísceras, brancas, saltando sobre o ventilador
Soltando-se das paredes seladas para o fim
Retratos depressivos
Inertes
Feito um coração vadio
Que já cansara até de parar ao te ver passar
A chacina de minha vida

Por Vitor C. Ramos

* Se copiar, favor divulgar a autoria. Obrigado ! *
Leia tudo >>

Interrogações

Quero saber
Que tamanho querer
Não quer o meu amor
A paz

Quero saber
Dos universos da razão
Que ventos trazem o ardor
Da paixão

A secura dos olhos do Tigre a morrer
Na beira do rio
Que secou
Quando te viu partir

As memórias se põem a chover
Pelos fins de janeiro
E todos vivem
Para sempre

Por Vitor C. Ramos

* Se copiar, favor divulgar a autoria. Obrigado ! *
Leia tudo >>