7 de mar de 2013

Joaninha Rosa

Uma pequena Rosa
De costas
E asas abertas
Passava

Caiu sobre a palma
Escura
E suja
Caiu no mundo

Vermelha Rosa
Dengosa
Sobre a cama
Repousou

De nome Rosa
Minha pequena
Perdeu-se pela janela
Aberta à vida

Rosa
A joaninha, Rosa
Amada
Avoada

Prestou a alma vazia
Alguns minutos de companhia
Se fez ouvinte de um silêncio
Que jamais se via

Atravessando o tédio
Pegado a noite, desesperançosa
Acalentou alguns minutos
Zumbindo no ar, tentando voar em frente ao ventilador

Nos alcança
Inconstante
Que vem e vai
Mas que satisfaz

Num voo risonho
Se lança
À noite vazia
A vida de uma eterna criança

Deixando sobre meus lençóis
Apenas lembrança
Rosa
Amada

Deixo esquecer que te amo
Rosa
Deixo a tormenta
De lhe atormentar

Deixo o mundo esquecer de mim
Deixo esquecer
Pois o mundo é ruim
Tentando me deixar louco

Deixei-me padecer
Mesmo eu que não sou de me prender
Perdi
Perdi-me por ti

Sentei-me a janela
Pela manhã, esqueci
Que por ela te vi partir
Minha companhia

Joaninha Rosa.

Por Vitor C. Ramos

* Se copiar, favor divulgar a autoria. Obrigado ! *

0 comentários:

Postar um comentário