17 de jan de 2013

Torpor

Não há
Sobre ela
O que falar

História
Essa inexiste
Sobre o tempo

O tempo
Passou
Acabou

Tive tempo,
Cavei,
Enterrei.

Perdi meu tempo
Sobre o mato roçado
Esperei

Sobre o tempo
Esqueci
Aquecido, sonhei

A terra virada
Apenas lembrava
O que eu enterrava

Pouco a pouco
Traguei
Com amargo pesar

Memórias
Cristalizadas
Esquecidas pela baixa maré

Parei a olhar
Admirei,
Olhar

Parei a ver
De ser
E de sentir

Se houver quem
Consentir
Um dia hei de sentir

Inalterado,
O estado de torpor
Agora se instala

Austero,
Esperando o inverno a chegar,
Entoando a cadencia da alma

Sentado estarei
Já cansei
Tentei

Pelas janelas
Vejo meu quintal
Pelas raízes

A terra virada
Tela do passado
O sopro da memória mortificada

A última palavra
O último vislumbre
A última batida

Por Vitor C. Ramos

* se copiar, favor divulgar a autoria. Obrigado ! *




0 comentários:

Postar um comentário