9 de set de 2012

Linda Bela

Recusei por vezes
Entorpecer-me
Contigo
Banhar-me na onda
De água e gasolina

Admirei
Secretamente mergulhei
Nadando sobre a distância
Que não deveria existir
Entre ambos os corações

Vi teus olhos
Juntos aos meus
Tantas
E tantas
Que esqueci de contar
E cantar

Sente meus dedos
Passando com o vento em teus cabelos
A milhas de distância
Ao som das curvas do Jacarandá

Ocupava todo
Eu
Me enchia em seu olhar
Esqueci de movimentar
Sobre o corpo torto do Jacarandá

Esqueci que anunciava
Precocemente
Uma saída
Tua ida
Pro outro lado da avenida

Assisti
De pé, a uma esquina
Teus olhos cruzarem a sombra da Lua
Longe de chegar
Em qualquer lugar

Longe de mim
Jamais a verei
Com os mesmo olhos
Que tinha durante minha canção

Agora
O silêncio invade meu aposento
Apagando aos poucos
Segundos
Todos os momentos

Em uma parte
Suspensa
Será sempre
Sempre será como era ontem
Os olhos a admirar

Linda Bela
Toda ela
Tendo o Luar para ofuscar
Me parando ao cantar
Me lembrando de amar

Por Vitor C. Ramos

* Se copiar, favor divulgar a autoria. Obrigado ! *


0 comentários:

Postar um comentário