29 de jan de 2014

Olimpo

Sentado em frente ao Paraíso
Senti um desejo incoerente, arrebatador
O sopro salgado do mar
Teu vulto molhado
Emergindo pelo olhar

O vento uivava
Cantando ao ar
Soprando teu cheiro
Doce perfume
Abafando a nuvem negra de pesar

Caminhava serena, como se o tempo
Jamais fosse acabar
Como se cada segundo fosse um gota do mar
Como se o ponteiro, a esperasse respirar

Aproximava-se
Esvaziou meu olhar
Meu orgulho
Me fez respirar
Enquanto Hades punha-se a chorar

Era tanto seu encanto
Que a Lua
De inveja encheu o mar
E o Sol se pôs em outro lugar
Enquanto o mundo rugia ao passar

Tamanha graça
Nem Afrodite
Deusa do amor, da beleza e da sexualidade
Ousou contestar

Aproximando-se dos pés do Olimpo
Fê-lo deturpar
Causou furor
Fê-lo ruir

Olimpo veio abaixo
Tamanho era o poder do teu olhar

Por Vitor C. Ramos

* Se copiar, favor divulgar a autoria. Obrigado ! *



0 comentários:

Postar um comentário