15 de jul de 2010

Mundo ao chão

Os números já não parecem mais números
Enquanto eles se contorcem a minha frente
E as substancias em meu sangue
Me fazem cair
Pouco a pouco ao chão
As paredes se apertam
Meu mundo gira
No sentido inverso
Da rotação universal
Meu coração
Sangrando, acelerado
Em choque
Extasiado
E o amanhã me reserva a solidão
Desta paixão
Que acaba
Que me pôs em delírio
Desde o começo
Até este maldito final
Em que você me deixou
Envenenado por seu adeus
Em um mundo que destroçou
Meu mundo que foi ao chão


Por Vitor C. Ramos


* Se copiar, favor divulgar a autoria. Obrigado ! *

0 comentários:

Postar um comentário